sábado , 19 agosto 2017
Página principal / Notícias / Fala Morador / O passeio de cães nas praças de Jardim da Penha

O passeio de cães nas praças de Jardim da Penha

Um ponto de encontro muito conhecido em Jardim da Penha são as diversas praças do bairro. Muitos moradores as utilizam para passear com os animais de estimação ou para trazer os filhos para brincar. Porém, alguns confundem e desrespeitam a utilidade das mesmas.

O Fala Morador recebeu nesse mês vários relatos de moradores, que não quiseram se identificar, relatando o desrespeito de alguns moradores ao levar seus cães para a pracinha. As reclamações têm em comum o local irregular em que os cachorros ficam ou que fazem as suas necessidades.

garrafa_pet - praca philogomiro
Garrafa Pet na Praça Philogomiro Lannes

Segundo um morador, a Praça Philogomiro Lannes, também conhecida como pracinha da Flash Video, tem instalada em suas árvores garrafas pets com sacolas plásticas, para que os donos de cães as usem para coletar suas fezes e depositarem em lugar apropriado. Porém, estes recipientes estão se transformando em deposito de água de chuva e em criadouros de larvas do mosquito da dengue.

“O dono do cão não recolheu as fezes e quando eu, que nem tenho animal algum, fui pegar a sacola, me deparei com a garrafa cheia de água com diversas larvas de mosquito”, disse.

Além disso, o morador denuncia os donos que deixam os cães fazerem suas necessidades na grama das praças, contaminando e impedindo que as crianças brinquem naquele local. “São tão descarados que até tiram de suas coleiras para depois fazerem “vista grossa”, de onde o mesmo defecou! Isso é muito sério gente, se temos animais temos que respeitar os direitos dos outros”, afirmou.

cachorro_praca philogomiro
Cão fazendo as suas necessidades na grama da Praça Philogomiro Lannes.

 

A outra reclamação veio de uma moradora pedindo uma campanha de conscientização dos moradores para evitar a entrada de animais nos parquinhos de areia, como na Praça Wolghano Netto ou a praça do Carone.

“Na pracinha do Carone tem um casal que sempre leva o cão para brincar no parque a noite onde bebês brincam e até colocam areia na boca. Conscientizar que os parques são para crianças e não para os animais”, relatou.

Enviamos as reclamações dos moradores para a Prefeitura e assim que tivermos o retorno atualizaremos a matéria. Aproveitamos para questionar também como é feita a fiscalização de acordo com a lei municipal que estabelece as normas para os responsáveis de animais domésticos no município de Vitória.

Frequentadores das Praças emitem opiniões

Após a publicação da matéria no dia 05/01 vários moradores demonstraram a sua indignação com as reclamações feitas contra os animais domésticos que circulam nas praças de Jardim da Penha.
Antes de mais nada, gostaríamos de esclarecer que o Fala Morador é um canal de comunicação em que os moradores enviam críticas, sugestões de reportagem de assuntos que incomodam e a partir disso entramos em contato com os órgãos responsáveis cobrando e informando soluções para estes problemas.

Entre os comentários a moradora Daniele Moura Benevides não acha certo privar os donos de animais a passear com seus animais sendo que uma minoria faz coisas erradas. “Assim como existem donos de cães sem noção também existem pais sem noção. Criticar alguns donos que por sua vez não recolhem as necessidades de seus animais tá tudo bem, mas ninguém critica aquela mãe ou pai que deixa fralda suja em cima do banco da praça a menos de um metro de distância da lixeira né?”, indagou.

A respeito dos pais que levam os seus filhos a pracinha, a moradora Kethlen Gama relatou um fato que presenciou na pracinha da Flash Vídeo que fez com que ela deixasse de visitar o local. “Deixei de ser frequentadora da praça no momento em que vi uma mãe permitindo que seu filho defecasse na grama, em frente a todos que ali estavam e sem retirar as fezes da criança de lá… Ai me pergunto, o problema está no cão?”, questionou.

Já na opinião de Karla Soares Cordeiro, que é cadeirante e frequentadora da pracinha Philogomiro Lanes, um dos poucos espaços na região com acessibilidade, os moradores deveriam se preocupar com questões mais importantes do que ficar perdendo tempo com o passeio alheio. “Para as pessoas que estão reclamando da sujeira dos cães nas áreas que as crianças brincam gostaria de informar que fiquei até tarde por diversas vezes na pracinha em questão e já vi pessoas em situação de rua fazerem suas necessidades (urinando e defecando) dentro do parquinho”, afirmou.

A solução encontrada pela moradora Scheila Bezerra para que os moradores possam ter o direito de ir e vir com os seus bichinhos sem problema, é um local exclusivo para animais, no mesmo modelo de praça para cães que foi criada em Jardim Camburi, a PraCão. “O que rege é a educação. Bom senso e limite também ajuda. A cidade, como todas, tá cheia de deficiência. Levar na praça até vai mas deixar solto é falta de respeito. O dono sabe que não morde mas o resto da sociedade não. Criar espaço especifico para os cachorros é a solução”, afirmou. “Sugiro que na praça haja espaço para os cães. Um lugar amplo, cercado. E principalmente uma campanha pelo bom senso em ambas as situações”, complementou a moradora Kethlen.

Lei Municipal permite o trânsito de animais em áreas públicas

De acordo com a lei municipal ordinária nº 8121 de 2011, que estabelece normas para a posse responsável de animais domésticos e/ou domesticados no município de Vitória, é permitido a circulação de cães em locais públicos, desde que estejam obrigatoriamente com coleira e guias adequadas ao seu tamanho e porte, além de ser conduzido por pessoas com idade e força suficiente para controlar os movimentos do animal.

Ainda de acordo com esta lei, o condutor de um animal fica obrigado a recolher os dejetos fecais eliminados pelo mesmo em vias e logradouros públicos e em caso do não cumprimento caberá multa de R$ 35,00 (trinta e cinco reais) ao proprietário do animal.

Fala Morador

Participe você também e envie a sua crítica ou sugestão pelo Facebook, pelo Portal na página do Fala Morador, pelo e-mail falamorador@jardimdapenhaonline.com.br, ou através do What’sApp 27 9 9714 1462.

Um ponto de encontro muito conhecido em Jardim da Penha são as diversas praças do bairro. Muitos moradores as utilizam para passear com os animais de estimação ou para trazer os filhos para brincar. Porém, alguns confundem e desrespeitam a utilidade das mesmas. O Fala Morador recebeu nesse mês vários…

Avaliação Total: 1.44 ( 6 votos)

Veja Também

i4zago3cztbobw45hzw5rmiz2043323

Pastor retira boneca afro em creche de Vitória e diz ser ‘símbolo de macumba’

O pastor João Brito, da Igreja Evangélica Batista de Vitória, pediu que um painel feito ...

2 Comentários

  1. Alguns pontos:

    1: Quem fez as garrafas acredito que teve boa intensão porem infeliz de fato. Da forma que foi feito acumula aguá (como a foto mostra) mas isso pode ser resolvido em 2 minutos de brainstorm ou simplesmente removendo as garrafas;
    2: As crianças tem um “parquinho” para eles brincarem, a grama não é um local apropriado para criança alguma brincar, com ou sem cachorro. São jogados adubos (que vem do lixão) ali, pessoas bebadas fazem xixi ali, moradores de ruas também fazem suas necessidades ali. Logo um cachorro fazer seu cocô nessa grama é muito melhor que na rua onde uma criança pode cair e colocar a mão ali.
    3: A grande maioria que frequenta a praça, cuida muito bem dos seus cachorros: compram as melhores rações, não deixam cocô no chão, passam vermífugo, passam anti-pulga e carrapatos. Os que não cuidam são a minoria e não acho democrático a maioria pagar por uma minoria. Alias são duas minorias: os que não cuidam dos cachorros e os que alarmam isso como se fosse algo aterrorizante, salientando está segunda minoria anônima.
    4: Na foto do cachorro em conjunto com o texto da a entender ou pelo menos tenta induzir o pensamento de que o cocô feito por aquele cachorro não foi recolhido, coisa que não se pode provar, logo isso denota uma matéria tendenciosa ou mal construída (não precisa de diploma mesmo).
    5: Acredito que um jornalista de verdade, ao invés de postar fotso fora de contexto com texto tendencioso deveria dar contexto as imagens e ouvir (quando falo ouvir é procurar) o outro lado da história.

  2. Como todos sabemos hoje existem mais animais de estimação (cães/ gatos) do que crianças, sendo assim é normal ver pessoas passeando com seus bichos assim como pais passeando com seus filhos.
    Acredito que deve haver um bom senso de ambas as partes.
    Animais são para muitos (e eu me incluo nisso) como membros da família, assim como em alguns casos já foi comprovado que a presença de animais melhora a saúde e o bem estar de seus donos.
    Não acho certo privar os donos de animais a deixarem de passear com seus animais por conta de meia dúzia que faz coisas erradas. Assim como existem donos sem noção tbm existem pais sem noção.
    Criticar alguns donos de cães que por sua vez não recolhem as necessidades de seus animais tá tudo bem, mas ninguém critica aquela mãe ou pai que deixa fralda suja em cima do banco da praça a menos de um metro de distância da lixeira né?
    Existem pessoas erradas em ambas as situações e que acho que o que deveria ser feito é orientar, passar informações, ouvir ambos moradores.
    Jardim da Penha tem muito morador que tem e gosta de animais, querer proibir os passeios com nossos animais bate de frente com nosso direito de ir e vir.
    Me admira esta página publicar este tipo de matéria sem ouvir ambas as partes e ainda deixar subentendido que a permanência de animais em lugares públicos é um mal a ser solucionado.